Capitalismo, um incentivo para a escravidão

Texto escrito por “Um Ser Pensante“.
Originalmente publicado aqui.

395px-Modern_Times_posterSerá que só eu me sinto preso pelo capitalismo? Ninguém mais sente o saco que é ter que acordar 6, 7 da manhã, chegar às 8 no trabalho, sair às 18, chegar em casa 19 ou 20h, isso pra quem ainda não tem que ir a faculdade ou fazer algum curso pra ver se consegue um salário um pouco melhor… e aí só irá ver a sua casa, seu esposo ou esposa, filhos, pais… no final da noite? Mesmo pra quem pode chegar já às 19h ou 20h, é tomar um banho, jantar, dar uma arrumada no quarto, assistir um jornal e pronto, 23, 0, 1h da manhã, hora de dormir e começar tudo de novo. De segunda à sexta, ou sábado… apenas o final de semana para repôr as energias e começar mais uma semana chata… isso até o próximo feriadão ou as próximas férias.

Em uma entrevista de Erich Fromm (divulgada também no Blog Um Ser Pensante), ele diz que:

[trabalhar para garantir sua sobrevivência] não é o suficiente para fazer alguém feliz se esse alguém gasta 8 horas por dia em algo que, em si mesmo, não tem nenhum sentido (…) exceto ganhar dinheiro.

Afinal, são poucos os que podem se dar ao luxo de trabalhar com aquilo que gostam. E mesmo assim, eu acho que 40 horas por semana, mais os deslocamentos, é muita coisa.

Quem me conhece e/ou acompanha o “Um Ser Pensante” sabe que eu sou um crítico do uso do álcool como fuga. Mas, por outro lado, restando tão pouco tempo pra se fazer outras coisas, eu compreendo (compreendo mesmo!) porque tanta gente opta por fazer da noite, da bebida e da ressaca no dia seguinte um ritual sagrado. Como diz a música do Chico Buarque, “a gente vai tomando que também sem a cachaça, ninguém segura esse rojão” — troque por cerveja, se preferir.

Por muitos e muitos anos, eu desconfiei que havia algo de muito errado com “o jeito que a vida é”. E, como eu sempre digo, sou um péssimo “aceitador-das-coisas-como-elas-são”. E antes que digam “pow, esse cara é só um vagabundo, não gosta de trabalhar”, reproduzo aqui um pensamento que consegui sintetizar numa pequena conversa sobre a tal teoria revolucionária do ócio criativo:

Na verdade, esse sistema é tão do avesso que quando nós estamos sendo mais humanos, quando estamos nas mais valiosas de todas as nossas atividades, pensando, refletindo, criando, planejando, escrevendo, compondo, nos ouvindo, nos construindo… eles chamam de ócio. E quem se dedica a isso é vagabundo.

Compensação

Eu nunca senti o dinheiro como incentivo. Soa mais como uma compensação. Isso pode ficar mais claro quando se pensa na remuneração da hora extra: por que ela vale mais? Pra mim, os 50 ou 100% a mais é o reconhecimento de que este é um tempo precioso, que dedicamos a nós mesmos (e olhe lá)  e que nos está sendo usurpado. Pagar um pouco mais não é bondade do sistema: é o mínimo que se pode fazer por roubarem mais um pouco da nossa vida, que não tem preço.

Um workaholic (pessoa viciada em trabalho, “trabalhólatra”) ou qualquer pessoa que não compartilha da minha visão pode estar se perguntando: mas se você não trabalhar, vai fazer o quê? Vai ficar coçando o saco?

Hmm! Há 5 ou 6 anos atrás eu encararia essa pergunta como algo para refletir e continuar a mesma vidinha de sempre no outro dia. Hoje a resposta está na ponta da língua. Por exemplo, quando eu disse a um amigo que eu não estava trabalhando (em um emprego), ele me perguntou o que eu estava fazendo então (sem maldade, mas a resposta se aplicaria ao workaholic acima). Respondi:

ah.. cuidando da saúde, estudando mitologia antiga, economia, C++, edição de vídeo, computação gráfica, história do oriente médio, Qt (bibliteca C++ da Nokia), lendo livro (e tentando escrever os meus), assistindo filme, escrevendo no blog… lendo sobre política, religião, psicologia…

Isso porque resolvi dar um tempo no violão e não lembrei de falar dos meus projetos pessoais. Ele teve de concordar: “tu tá cheio de coisas heim!!!” Pois é ;-D

Mais uma vez, repito que dinheiro não é O incentivo. Talvez no capitalismo seja o principal, por sermos forçados a tê-lo, mas digo com certeza que, pelo menos eu, não preciso estar ameaçado de morrer de fome para ter vontade de fazer coisas! Na verdade, considero seriamente a hipótese da fome como incentivo ser uma exceção. Considere o texto (*) abaixo:

“O sistema monetário é há muito tempo considerado uma força positiva na nossa sociedade graças à sua alegação de que produz incentivos e progresso. (…) em seu núcleo estão as suposições de que

(1) Devemos lutar uns com os outros para sobreviver 
(2) Seres humanos precisam de um “estímulo” recompensador para fazer coisas significativas.

(…) Quanto ao Número 2 (‘Seres humanos precisam de um ‘estímulo’ recompensador para fazer coisas significativas’), essa é uma perspectiva triste e incrivelmente negativa do ser humano. Supor que uma pessoa precise ser ‘motivada estruturalmente’ ou ‘forçada’ a fazer algo é simplesmente absurdo.

nice-sweet-children-playing-in-sandLembre-se de quando você era criança e não tinha a menor ideia do que fosse dinheiro. Você brincava, era curioso e fazia muitas coisas… Por quê? Porque você queria. No entanto, conforme o tempo passa em nosso sistema, a curiosidade e auto-motivação naturais são extirpadas das pessoas, pois elas são forçadas a se ajustar a um sistema de trabalho especializado, fragmentado, quase predefinido para poderem sobreviver. Por sua vez, isso costuma criar uma revolta interior natural nas pessoas devido à obrigação e foi assim que separamos os momentos de ‘lazer’ e de ‘trabalho’. A preguiça que aqueles que defendem o sistema monetário (por alegar que ele cria estímulo) não reconhecem este fato.”

Não é à toa que o capitalismo precise oferecer um pouco de dinheiro em compensação a tudo o que nos tira.

Eu sempre desconfiei que havia algo de errado com o sistema. Este texto e outros materiais semelhantes me fizeram ver que não só há algo errado, como todo o sistema é uma grande porcaria, em termos humanistas.

O erro É o sistema.

Um abraço.

(*) Esse texto é parte de uma publicação do Movimento Zeitgeist , que propõe um novo sistema sócio-econômico para substituir o capitalismo. Eu não participo oficialmente do movimento (ainda), mas simpatizo muito e contribuo sempre que posso.

Se gostou do artigo, veja mais no “Blog Um Ser Pensante“. 

“Este artigo não expressa necessariamente uma opinião do MZ, mas de seu autor.
O mérito está na contribuição para a discussão da linha de pensamento defendida pelo movimento.”

You may also like...

5 Responses

  1. WELLINGTON A. OLIVEIRA disse:

    “QUEM AQUI SE IMPORTA
    SE O MUNDO SEGUE OU VAI MORRER ASSIM
    GIRANDO A RODA
    DE UM SISTEMA VELHO
    QUE JA VAI RUIR”(ADÃO NEGRO, QUEM AQUI SE IMPORTA)

  2. Ronald disse:

    Perfeito amigo! Já havia percebido isso há tempos, só que não sabia direito como me comportar, pq era como se ficasse falando sozinho… Hoje, a duras penas, consegui um ajuste que me faz sentir confortável com esta condição de “ocioso”… Seu texto é libertador. No entanto, só funcionará se o apego for extirpado e a confiança na vida retomada, assim como fazem as crianças (e ainda bem que elas estão aí todos os dias pra nos relembrar disso). Se a pessoa não estiver com a sua sensibilidade bem calibrada, a confusão mental que isso gera pode causar mais danos que benefícios. É preciso antes fazer uma preparação, mesmo que já vá se desconectando dessa porra toda, pois esse período em que passa de uma coisa para outra é o mais difícil. Depois é só alegria. Abraço forte e continue a divulgar, espalhar e disseminar essa ideia.

  3. Giovana disse:

    MUITO obrigada por compartilhar de uma maneira tão clara assim suas ideias. Me sinto exatamente assim e há alguns anos já entendi que eu não sou a errada da história. Não, o sistema é o grande vilão e eu quero sair dele. Mas a verdade sempre tem seu preço. Hoje tenho total clareza de que quero sair desse sistema que me apriziona 8 horas por dia dentro de um escritório, me impede de sentir o calor do sol e o molhada da chuva. De estar por aí admirando o que é belo e me programa para estar sempre correndo ou preocupada. Mas não consegui encontrar uma porta ou uma janela ainda para fugir e correr. Quero trabalhar com arte mas não sei nem por onde começar. Nunca fui estimulada e conhecer os meus dons, nem sei ao certo com o que trabalhar mas quero tentar. Quero fazer diferença e sentir do fundo do meu coração que o que eu faço faz sentido pro mim ou ainda melhor, para o mundo. #Gratidão

  4. Filipe disse:

    Desde cedo comecei a sentir isso, essa ‘Matrix’. Lembro quando era criançae meu pai saía bem cedo e só chegava a noite. Hoje vendo isso, era uma coisa que me fazia mal mas que ele, como todos os pais precisavam pra se garantir nesse sistema. Isso precisa mudar. Você vê por aí na rua, o medo estampado nos olhos das pessoas, a tensão, a pressa, o cigarro na mão pra aliviar, elas sempre esperando que um dia a vida vai melhorar, incentivadas a viver em torno do amanhã. Vendo esse texto, somos muitos que pensamos assim, isso é um grande avanço

  5. Alexandre disse:

    Hoje que faço curso e vejo que esse sistema é umas coisas que tinha como ideia maximizar lucros, e seu erro é quando na busca louca e frenética, passa por cima de tudo.
    Hoje em dia, com tantos recursos, é algo louco trabalhar tanto, sair de casa 6 e chegar as 22, inimaginável.
    Perdemos tempo, convívio e nossa saúde, e além do mais, não há o “Bem-Estar” que é dito pelos capitalistas.
    Meu professor de Economia, quando questionado sobre os “furos” do sistema, ele alega que o problema não é da Economia ou do Capitalismo, mas diz que o problema esta nas pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>