Ecopolos: a experiência da Aliança Luz e Rede Equilibrium

Por Raphael Chiamulera

Introdução e Edição: Graciela Kunrath Lima

As pessoas que já possuem alguma familiaridade e conhecimento a respeito da Economia Baseada em Recursos (EBR) sempre se questionam: como será a transição de uma economia monetarista, baseada no capital, para uma EBR? A verdade é que nenhum de nós pode afirmar com certeza quais caminhos permitirão que alcancemos tal “objetivo”.  O mais provável é que ações variadas, em diferentes áreas, por diferentes vias, atuem sinergisticamente para que tal mudança aconteça. Uma das diversas possibilidades neste sentido é a criação de Ecopolos. Atualmente, está sendo organizado e estruturado o primeiro Ecopolo brasileiro, através de uma ação da Rede Equilibrium e da OSCIP Aliança Luz, organizações idealizadas por Wagner Annunciato e Enric Toledo. Após a organização jurídica, divulgação e arrecadação inicial de verba pelos cooperados, foi comprado pela cooperativa um terreno em Piracaia, São Paulo, em 2014. Atualmente estão sendo dados os primeiros passos da construção física do Ecopolo: instalação da sede, com energia solar; plantio… Você pode ler um relato desses primeiros passos aqui.  No texto que segue, Raphael Chiamulera,  que auxilia na divulgação do ecopolo da Rede Equilibrium, fala um pouco sobre como organizar um ecopolo.

Todo mundo está sofrendo por causa de vários problemas e a maioria deles são problemas sociais, como a fome, a pobreza, crimes, violência, sexismo, racismo, guerras, poluição, acidentes de trânsito e de trabalho, doenças que poderiam ser curadas, etc. Isso é um fato. É fato que estes problemas existem. E todos estes problemas estão interligados, pois são todos problemas SOCIAIS. Isso significa que são todos problemas no funcionamento da sociedade. O que causa os problemas sociais é a maneira como funciona a sociedade, especialmente o sistema econômico em uso em tal sociedade, e fisicamente falando, a forma como as cidades estão (des)organizadas. Lembrando do grande cientista Buckminster Fuller: “Não se muda as coisas lutando contra a realidade existente. Para mudar algo, é preciso construir um novo modelo que torne o atual obsoleto”. Ora, estamos falando aqui de uma transição. Peguemos outra transição como exemplo, a transição do uso de carroças para o uso de automóveis. Como ocorreu esta transição? Foram as pessoas lutando contra a carroça (que era a realidade atual da época) ou quando alguém construiu um novo modelo (automóvel) que tornou o modelo até então presente obsoleto? Da mesma forma, mesmo entendendo que todos os problemas estão relacionados, só lutar contra o atual sistema econômico e as atuais cidades não será eficiente, precisamos construir um novo sistema e novas cidades que tornem as atuais obsoletas… e o que pode ser mais divertido que isso? Trabalhar com o que você gosta (porque precisaremos de pessoas de todas as áreas, para reinventar todas as áreas da sociedade), só que ao invés de fazer isso nas cidades velhas, fazer isso construindo uma nova e ainda ajudando a construir uma nova sociedade projetada para não ter os problemas que a atual tem…

Primeiro construímos em 10 ou 20 pessoas, trabalhando voluntariamente no seu tempo livre, um ecopolo menor que comporte 100 ou 200 pessoas; 5 anos depois, a gente constrói em 100 ou 200 pessoas, vivendo em auto-suficiência, sem precisar ter emprego, um ecopolo para comportar 1.000 a 2.000 pessoas (5-10 anos). Com este número de pessoas se constrói, então, uma cidade sustentável e socialmente saudável para comportar 100.000 pessoas (em uns 5-10 anos) e oferece-se as mais de 90 mil casas novas construídas pra pessoas pobres… A cidade funciona como uma universidade, no real sentido da palavra, e durante estes anos de construção teremos formado e elevado a qualidade de vida de aproximadamente 100mil pessoas num período de 15 a 25  anos… Estas pessoas podem, depois de formadas, se espalhar pelo brasil em grupos de mil ou duas mil pessoas e construir várias novas cidades como a primeira, ao mesmo tempo, enquanto outras 90 mil pessoas pobres ocupam a primeira cidade e podem se formar na universidade… em 30 -35 anos podemos erradicar a pobreza no país… esmiuçando ainda mais:

1º passo: uma possibilidade é um grupo inicial, composto por algo entre 10 e 50 pessoas, se reunir e definir qual será seu objetivo., organizando/escrevendo um projeto. Quanto mais na mesma página estiverem os membros sobre qual é o objetivo do grupo, melhor o grupo funcionará. Buscar fontes de informação, cursos e afins para auxiliar a capacitar as pessoas para o desenvolvimento  e execução do projeto.

2º passo: a utilização de um corpo jurídico para facilitar a gestão do projeto, no formato de cooperativa – que é como uma espécie de “empresa” onde todos os membros são donos. Como seriam necessárias pessoas de todas as áreas,  a cooperativa deve ter vários setores, uma cooperativa multisetorial.

3º passo: criação de uma cooperativa ou adesão a uma já existente. Aderir a algo já existente parece mais lógico, pois poupa trabalho. Então as pessoas do grupo assinam o contrato da cooperativa, passam a ser cooperados, e pagam uma mensalidade (R$50,00 ou outro valor a definir).

4º passo: com o corpo jurídico e a verba mensal, pode-se alugar um escritório onde podem haver encontros para desenvolver o projeto.

5º passo: à medida que mais pessoas aderirem à cooperativa, pode-se alugar uma casa com vários cômodos, para os diversos setores da cooperativa.

6º passo: à medida que cada setor se desenvolve eles podem trabalhar em conjunto para desenvolver o projeto da construção do primeiro ecopolo. O setor de informática trabalha em conjunto com o de webdesign pra criar site, blogs, podcasts –  uma estrutura online forte para o projeto; o setor de agronomia trabalha com o de construção para calcular quanto de alimento precisa ser produzido e quantos restaurantes; os setores de cinema, de teatro, de publicidade e de comunicação social produzem uma apresentação ou um vídeo, para apresentar o projeto para parcerias e doações de empresas, campanhas de crowdfunding, etc; o setor de administração estrutura gerencia o projeto e auxilia na gestão de todos os setores…

7º passo: juntar dinheiro, através de crowdfunding, sistema de cotas para os moradores, e demais doações, para comprar um terreno com base no projeto do ecopolo previamente estipulado, atendendo suas necessidades.

8º passo: mobilizar os cooperados para iniciar e prosseguir com a construção dos ecopolos, de forma coletiva e cooperativa. Este processo servirá também para que uns ensinem aos outros os conhecimentos necessários para a fundação e construção de cidades sustentáveis.

 ecopolo

You may also like...

3 Responses

  1. Pedro Luiz - BH - MG disse:

    a Via SOT tambem propõe algo similar ao Aliança Luz da Rede Equilibrium e em sistema já instalado… caminhemos… http://viasot.wix.com/autogestao#!sistema-comunal/cteg

  2. ROBERTO BORGES DE SOUZA disse:

    Bom dia , Tenho pesquisado o sistema de relação de convivência nas ecovilas
    e ecopolos, e isso tem despertado muito minha curiosidade, tenho sido fortemente
    atraido uma vez que o sistema tradicional de convivência urbana não me agrada.
    Gostaria dentro das possibilidades de voçês de conhecer sua comunidade, no momento
    estou desempregado e seria muito bom aproveitar este tempo disponivel pra viver
    uma experiência com voçês, quem sabe eu resolva ficar definitivamente com voçês kkkk

    agradeço pela atenção e aguardo seu retorno

    Att.

    Roberto

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>