Lidando com o mito da Superpopulação – Parte 3

Autor Desconhecido

Parte 3 de 3 – Saúde, Transporte, Energia, Comunicação e Educação

Este ensaio foi disponibilizado por um membro do Movimento Zeitgeist em Novembro de 2011, mas a autoria do mesmo perdeu-se, uma vez que o arquivo no qual o material foi armazenado não informa o nome do autor do trabalho. A linguagem é de uma conversa, pois parece ter sido dessa forma que o ensaio foi desenvolvido. Agradecemos ao autor, pois as informações são bastante elucidativas. E, por isso mesmo, merecem ser compartilhadas, para que mais pessoas tenham acesso a este conhecimento.

Acesse a Parte 1 e a Parte 2, caso ainda não tenha lido. A Parte 3 aborda como é possível fornecer saúde, transporte, energia, comunicação e educação de maneira sustentável e eficiente para toda a população. Boa Leitura!

—————————————————————————————————————————————————————–

Here comes the sunNo que diz respeito à saúde, sabe-se que doenças cardiovasculares, doenças respiratórias, doenças gastrointestinais e câncer causam mais da metade de todas as mortes no mundo (ver o link). Utilizando sistemas de energia limpa (fotovoltaica, solar-térmica, das ondas, das marés, OTEC, eólica, geotérmica, fusão, etc), pode-se fornecer infra-estrutura em elétrica de trânsito, fabricação automatizada e sistemas de construção (ver o link - indisponível), etc. A remoção do lucro a partir da distribuição de cigarros e álcool, menor consumo de carne vermelha e aumento do consumo de plantas tornaria essas doenças, e o número de mortes relacionadas a elas, raros, no máximo.

Sistemas elétricos de trânsito já existiam desde o final de 1800 (ver o link).

Em 1999, uma patente para sistemas de tubo evacuado de trânsito foi aprovada nos EUA (ver o link). O desenvolvedor afirma que este sistema pode atingir velocidades de mais de 6.000 km/h para viagens inter e intra-continentais (eliminando a necessidade de trens, aviões, navios, etc) e superior a 300 km/h para viagens regionais, com menos de 1/10 do custo de instalação de uma estrada de ferro sobre uma distância igual. Para o trânsito intra-cidades (que iria substituir quase todos os automóveis), SkyTran (ver o link;  link original indisponível) utiliza vagões magneticamente levitados que podem seguramente viajar a velocidades de até 260 km/h com um centésimo do custo de uma rodovia de distância equivalente (ver o link). Porque tanto ET3 e SkyTran são sistemas totalmente automatizados, de forma que engarrafamentos, acidentes, etc seriam, essencialmente, anomalias. Por estes  projetos se concentrarem no atendimento a tantas pessoas quanto possível, eles são muito mais eficientes que carros, trens, aviões, navios, etc. O usuário tem à disposição sua unidade por quanto tempo for necessário, por quanto tempo precisar, podem ser dias, meses, não importa. Quando terminado, o veículo fica disponível para outras pessoas. Garantias/leis de propriedade seriam irrelevantes nesse contexto, a abundância de acesso substituiria a atual falsa abundância da posse, e o respeito pelo que os outros estão utilizando virá naturalmente, e será maior do que nunca na história do respeito à propriedade alheia.

A energia é muito mais fácil de resolver do que se pensa. Primeiramente, os veículos elétricos já existem há mais de um século (ver este e este links).

Hoje, um carro elétrico pode facilmente superar até mesmo os melhores motores de combustão interna (ver o link). Combustíveis fósseis para a propulsão são obsoletos. Combustíveis fósseis para a produção de eletricidade também são obsoletos. Se uma área um pouco maior que o estado de Washington (ver o link) for coberta pelas células solares mais eficientes disponíveis no mercado com 39,2% de eficiência (ver o link), energia suficiente seria gerada para atender a demanda global de energia em 2008 (ver o link) - cálculos abaixo, assumindo 4 horas de pico por dia). O estado de Washington tem aproximadamente 0,3% da área terrestre.

Isso ignora a eletricidade gerada a partir de energia eólica, térmica, solar com base no espaço, das ondas, das marés, OTEC, fusão, geotérmica, diferencial de calor, piezoelétrica, etc, que nos permitiriam muito mais opções para gerar eletricidade limpa superabundante, e baseiam-se em células solares que operam no comprimento de onda visual com menos de 40% de eficiência. Atualmente, a Microcontinuum está desenvolvendo células fotovoltaicas que operam no comprimento de onda infravermelho, significando que geram eletricidade a partir de calor e podem trabalhar à noite conforme o solo libera o calor absorvido durante o dia) e têm uma eficiência teórica de até 80% (ver o link).

1,366 kW (Constante Solar) x 39,2% = 0,535 kW por m²

493,014 x 10 ^ 15 Btu (consumo global de energia em 2008) = 144,488 x 10 ^ 12 kWh

144,488 x 10 ^ 12/365 (kWh por ano) = 395,858 * 10 ^ 9 (kWh por dia)

395,858 x 10 ^ 9 (kWh por dia) / 4 (número de horas de luz do dia de pico) = 98,964 x 10 ^ 9 (kW por hora de luz de pico)

98,964 x 10 ^ 9 / 0,535 = 184,98 x 10 ^ 9 m²

184,98 x 10 ^ 9 m² = 184.980 km²

Lespace_internet_du_musée_de_la_Communication_(Berlin)_(2738452057)A comunicação é fácil – a Internet, telefones celulares, telepatia (para aqueles de vocês que acompanham transhumanismo, hahaha), etc, ao longo dos últimos anos, muitas empresas começaram a desenvolver vários meios de implementação de redes descentralizadas de comunicação para proporcionar as pessoas com uma conexão para a internet que não pode ser censurada ou desligada (ver este, este e este links), a fim de assegurar o direito de todos ao irrestrito acesso às tecnologias de comunicação.

Educação é ainda mais fácil. Nos EUA é atualmente possível para um indivíduo aprender tudo o que normalmente seria ensinado do jardim de infância até a faculdade, totalmente online, sem nunca ter pisado em uma sala de aula. Homeschooling e Unschooling (ver o link) permitem que as crianças aprendam de forma independente e online, sem nunca ter pisado em uma escola, e hoje legalmente, torna o jardim de infância até o ensino médio completamente desnecessário. Infelizmente, você ainda não pode ganhar um belo pedaço de papel sem pagar por isso e sentado na sala de aula, mas, com sites como a Khan Academy, Terra Acadêmico, Consórcio OCW, OpenStudy, Wikimedia, etc (ver este, este, esteeste e este links), você pode aprender pelo menos tanto quanto qualquer graduado da faculdade sem os R$ 50.000 + (ver o link) para o custo médio de 4 anos de estudos, incluindo livros, transporte, despesas de moradia e pessoais que os alunos gastam.

Em conclusão, se somarmos os 0.4% da área para alimentação (plantações), os 0.4% necessários para ocupação humana (cidades), os 0.3% para energia, teremos cidades capazes de fornecer moradia, alimentos, água, energia, lazer, transporte, saúde, produção, distribuição, tudo incluso na cidade, usando 1.1% da área total da Terra.

Continuaremos com uma superpopulação enquanto utilizarmos os atuais métodos ineficientes, que já estavam obsoletos em torno de 150 anos atrás.

SONY DSC

———————–

“Este artigo não expressa necessariamente uma opinião do MZ, mas de seu autor.

O mérito está na contribuição para a discussão da linha de pensamento defendida pelo movimento.”

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>