Níveis de produção preocupam a mídia convencional

traffic_jam_big

Conforme noticiado recentemente em diversos veículos da grande imprensa, a produção e a venda da indústria automotiva brasileira apresentam quedas significativas na atualidade (por exemplo, aqui, aqui, aqui e aqui). O destaque, nesses casos, costuma ser o nível de emprego em risco, ou a crise econômica internacional. Também são apontadas as ações políticas necessárias por parte do Estado para conter a situação, promovendo a retomada do consumo ou facilitando a manutenção de margens de lucro.

O que falta é questionar a viabilidade de longo prazo de políticas baseadas em níveis de consumo, que acabam tornando positivas para a economia práticas danosas como a obsolescência programada, o endividamento familiar e a cultura do consumismo.

Em uma economia baseada em recursos, a saturação de um dado mercado – como o automotivo, atualmente – seria entendida como uma oportunidade de voltar os recursos produtivos para novas necessidades da sociedade, uma vez que aquela necessidade já está supostamente atendida – ou superada. Sendo os recursos finitos, não faz sentido insistir em um ramo industrial saturado que já não atende a necessidades reais da sociedade, apenas para sustentar uma estrutura econômica já estabelecida.

A importância dos níveis de emprego no modelo econômico atual acaba por justificar, perante a sociedade, políticas públicas discrepantes, como a priorização da margem de lucro de empresas privadas, o incentivo à produção de indústrias obsoletas às custas de endividamento familiar, a degradação ambiental – pelo consumo excessivo ou inadequado de recursos – e a adoção de soluções ineficientes para problemas comuns – como a mobilidade urbana e a poluição nas grandes cidades.

O que o modelo atual chama de crise, um novo modelo inteligente e sustentável chamaria de oportunidade.

Nota: na categoria “Mídia”, falaremos de temas de relevância para o Movimento Zeitgeist que sejam abordados em matérias da mídia convencional, analisando o foco dessas matérias e contrapondo a visão de membros do movimento.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>