“O Capitalismo cria tecnologia”

Por Caique Simão Taborda

http://pj93.deviantart.com/art/Technology-possessing-World-255314563Alguma vez em suas vidas vocês já devem ter ouvido coisas do tipo: “O Capitalismo é ruim, mas você adora seu vídeo-game” ou “se você não gosta do Capitalismo, vai morar com os índios que vivem sem eletricidade e televisão, para ver como é bom”. Pois é, eu também. Argumentos como esses nos levam a crer que a suposição dessas pessoas é de que antes do Capitalismo havia pouca ou nenhuma tecnologia, e que ele traz em sua estrutura algum truque oculto que faz com que seres humanos burros e preguiçosos tornem-se inteligentes, criativos e capazes. A história é bem menos simples e bem mais interessante, e merece uma olhada mais atenta e longe de vieses ideológicos simplistas.

Tudo bem (tudo ótimo!) que evidências indiquem que seres humanos vêm ficando mais inteligentes* com o passar das gerações (fenômeno conhecido como Efeito Flynn), mas isso de forma alguma implica que tenhamos começado a desenvolver tecnologias recentemente, ou que agora possuímos “tecnologias melhores”. Metaforicamente, o desenvolvimento científico e tecnológico, bem como o conhecimento em si, funcionam como uma tocha olímpica que vai sendo levada cada vez mais longe. É um processo de evolução contínua, e como todo processo, começa “por baixo”. O aumento de sofisticação através do tempo é um fenômeno que aconteceu em toda a história e pré-história, embora não tenha sido necessariamente linear; houve alguns “booms” e “busts”.  Isaac Newton resumiu esse processo muito bem numa frase: se vi mais longe foi por estar de pé sobre ombros de gigantes. Essa é a maravilha da cultura cumulativa.

Resolvi escrever esse texto pra tentar explicar um pouco –de forma terrivelmente resumida e amadora- que nada é tão simples quanto parece, e que existe uma longa e multifacetada história por trás do desenvolvimento tecnológico. Ela se inicia muito, mas muito antes de inventarmos o Capitalismo (sim, como um método ele é por si só um advento tecnológico) e o utilizarmos como sistema econômico vigente. Espero muito que esse pequeno compilado expanda um pouco os horizontes de quem o ler, e desperte curiosidades antes inexistentes.

National_park_stone_toolsAs primeiras tecnologias apareceram antes que o homem fosse capaz de pronunciar Capitalismo e antes mesmo da aparição do gênero Homo, que é o que podemos chamar de humano. Descobertas arqueológicas recentes feitas no lago Turkana, no Quênia -onde foram encontradas até agora 149 ferramentas de pedra lascada- indicam que elas já eram produzidas há pelo menos 3,3 milhões de anos atrás (e não 2,5 milhões como se pensava antes). Não se sabe que espécie as produzia, mas uma hipótese é de que foram os Australopithecus afarensis, espécie que estava na região naquela época. Agora existem fortes evidências de que não são só humanos (gênero Homo) que são capazes de modificar intencionalmente a natureza para algum propósito. Aliás, chimpanzés e orangotangos também são. Parece que é de família. Mas vamos começar pelo que já é “consagrado” e bem sabido na área arqueológica: o Período Paleolítico. Ele se inicia há mais ou menos 3 milhões de anos atrás e é dividido em três partes: Inferior (de 3 milhões de anos à 250 mil anos aprox), Médio (de 250 mil anos a 40 mil anos aprox) e Superior (de 40 mil anos à 10 mil anos aprox). Antes de começar a falar sobre os achados e descobertas, vamos lembrar que as informações que temos sobre as tecnologias do Paleolítico são rasas e ofuscadas, e todo material científico que temos até agora é apenas um esboço do que existia na época. Novas descobertas são feitas constantemente, e a cada dia parece ficar mais claro a revolução que aconteceu nesse período tão curto (em termos evolutivos).

No Paleolítico Inferior os Homo habilis e Homo erectus já criavam tecnologias relativamente complexas (em comparação a outros primatas). Ferramentas de pedra cuidadosamente talhadas provavelmente para perfurar ossos e chegar ao tutano; lascas para cortar os tecidos dos animais; lanças para caça; machados com componentes de madeira, e mais pro final, o domínio do fogo (veremos um pouco dele mais à frente). O Paleolítico Médio foi marcado pelo desenvolvimento dos primeiros arpões para a pesca, criando uma fonte nutritiva fácil e abundante. Surgiram também os primeiros adornos corporais e contas, bem como os primeiros rituais canibais, enterros e o culto ao ‘Urso das Cavernas’. Ah, é claro, construíam cabanas nos períodos quentes e se abrigavam em cavernas nos frios (daí o famoso arquétipo do cabeçudo homem das cavernas, o Neandertal). O último -Paleolítico Superior- é dos três o mais curto, porém o que mais apresenta evoluções. Surge o ainda mais famoso e modesto Homem Sábio (Homo sapiens). Nele aparece aquilo que chamamos de arte. Faziam pinturas rupestres em cavernas, esculturas bem detalhadas e adoravam adornos corporais. Até inventaram o que deve ter sido talvez o primeiro sistema de contagem, feito com ossos. Aparecem também os primeiros anzóis, junto com agulhas pra costurar peles. Ouviam-se os primeiros instrumentos musicais. O pensamento abstrato ou a habilidade de criar ficções floresceu como nunca. Técnicas de caça para animais grandes -como encurralamento em abismos e condução premeditada por “estradas de chamas”- parecem ter sido cuidadosamente planejadas. Também acertavam os animais com “bolas” de pedra, onde eram esculpidos espinhos afiados (com pontaria excelente, diga-se de passagem). Congelavam alimentos; criaram os primeiros calendários lunares e começaram a difícil tarefa de entender  migrações. Ah é, vimos de vários ângulos a vantagem de manter lobos por perto e  fazer amizade com eles (gratidão a eles pela a oportunidade de ter cachorros). A linguagem se aperfeiçoa pela necessidade de cooperação; surge a “fofoca”, que aumenta a complexidade das relações sociais. O kit de ferramentas dos humanos cresce num ritmo absurdo, bem como os métodos e estratégias para solucionar problemas. Termina o Paleolítico e começa o período de transição daquilo que seria uma das maiores mudanças da história do homem: a Revolução Agrícola. Essa revolução não se fez da noite pro dia; o período de acampamentos mais longos e do segundo e mais potente “big bang” tecnológico nós nomeamos de Período Mesolítico (de 12 mil anos atrás a 7 mil anos atrás aproximadamente). Lembrando que o processo de assentamentos permanentes não foi linear e aconteceu em momentos diferentes de região para região e de tribo para tribo. Nesse período nós, os super macacos, começávamos a plantar; fazíamos grandes redes de pesca; utilizávamos cerâmica para arte, para utensílios “de cozinha” e para transporte de água; construíamos casas mais sofisticadas; criávamos raspadores, buriles, azuelas e micrólitos (ferramentas utilizadas para trabalhar de várias formas os mais variados materiais e para a caçar);  descobrimos que podíamos comer rãs, caracóis e insetos; começávamos a pescar em mar aberto; pastoreávamos;  construíamos moinhos e desenvolvíamos técnicas de armazenamento de grãos; sofisticávamos ainda mais a arte. As tribos começam a crescer e as relações sociais ficam cada vez mais complexas. Os seres humanos começam a se organizar de uma forma que hoje nos é mais familiar. Surge o Neolítico com sua Revolução Agrícola, e a partir daí é com vocês. Há toneladas e mais toneladas de história tecnológica antes do surgimento do Capitalismo. Na verdade esse texto é apenas uma simplificação para dar uma breve esclarecida e despertar curiosidade, é claro que eu não conseguiria fazer o merecido detalhamento de um período tão extenso e complexo. No mais, o foco do texto está mais nas “tecnologias físicas”, existe MUITO para se falar a respeito das teorias dos sistemas políticos, relações sociais, relações sexuais etc. Enfim, tecnologia não é apenas o que foi focado aqui; métodos e técnicas também são tecnologias.

1024px-Diorama,_cavemen_-_National_Museum_of_Mongolian_HistoryVou voltar no tempo novamente para dar a devida atenção a uma descoberta que talvez tenha sido o pontapé inicial de tudo isso. De todas essas tecnologias já citadas, a utilização do fogo -e mais importante que isso, o “domínio” dele- pode ter sido o alicerce dessa explosão evolutiva. Com ele os nômades caçadores-coletores podiam iluminar; abrir clareiras para facilitar a caça e acampamento; diminuir peso e volume de alimentos através da desidratação; construir ferramentas das mais variadas; manterem-se aquecidos; afastar animais e insetos; matar parasitas; contar histórias aos companheiros à luz do luar; e talvez a mais decisiva de todas essas vantagens: cozinhar!

A tecnologia do cozimento, em especial, nos deu uma vantagem diferenciada: tornou nossos alimentos mais moles e fáceis de digerir (já que o fogo os pré-digere antes de chegar a boca) e ainda permitiu que comêssemos uma série de coisas que antes não podíamos. Também diminuiu drasticamente nosso sistema digestivo, (boca, estômago e intestino) que é em torno de 60% menor do que o esperado pra um primata de nosso tamanho. Isso liberou energia pros nossos cérebros desatarem a crescer. E eles cresceram; muito e em pouco tempo (em termos evolutivos). De brinde ainda ganhamos tempo livre para fazer coisas mais interessantes que mastigar, visto que chimpanzés de 30kg passam em média 6 horas por dia mastigando (a média humana é de 36 minutos), e depois muitas outras horas pra digerir esses alimentos crus.  E mais: muitos antropólogos sugerem que o tempo em volta da fogueira estimulou nossa sociabilidade, melhorando as relações dentro da tribo. O fogo e a habilidade de nossos amigos caçadores-coletores permitiu que hoje tenhamos o maior número de neurônios no córtex  cerebral que qualquer outra espécie, e provavelmente possibilitou que sobrevivêssemos e prosperássemos o suficiente pra que eu possa estar aqui escrevendo esse texto. O cozimento talvez tenha sido a inventividade precursora de todas as outras, por assim dizer.

Pra finalizar, o objetivo do texto não foi de forma alguma dizer que “o capitalismo não cria nada, não existe mérito nenhum vindo desse sistema”. Nos últimos 500 anos estamos cada vez mais entendendo a importância dos processos técnicos e como ciência e tecnologia pode resolver nossos problemas, nos últimos 200 isso se acentuou ainda mais. Podemos atribuir parte disso à psicologia de produção e consumo do sistema capitalista, mas sem se esquecer que o que possibilitou esse boom de produção foi muito mais a aplicação do método científico diretamente na produção, e a revolução na conversão de energia (até o momento a energia muscular era a mais eficiente que tinham). Há alguns séculos atrás, um general acharia ridículo investir no desenvolvimento científico e tecnológico para ganhar uma guerra. Em 2011, só os EUA sozinho investiu US$411 bilhões em tecnologia militar para tornar cada vez mais eficiente a arte de matar pessoas. Vários países do mundo seguem a mesma linha. Maiores investimentos significam um número cada vez maior de pessoas e recursos nos processos, e é claro que o desenvolvimento é o resultado. Esses investimentos, em sua grande maioria, não são feitos por altruísmo, eles quase sempre vem de algum interesse político e/ou econômico. Em 1500, banqueiros e reis investiram na exploração geográfica, porque acreditavam que isso lhes traria benefícios políticos e econômicos, e não investiram em tecnologias agrícolas e nem em psicologia infantil, pois acreditavam que aquilo pouco lhes serviriam. O mesmo acontece hoje; se estudamos mais física nuclear do que psicologia infantil é porque até hoje a física nuclear serve mais a interesses políticos e econômicos do que psicologia infantil. Tudo sempre depende dos interesses que estão em jogo. Nós teríamos uma realidade bem diferente hoje caso tivesse invertido esses investimentos, ou os equilibrado. De forma alguma estou tentando dizer que teria sido “melhor”, apenas que seria bem diferente. É impossível, a meu ver, prever que tipo de mundo teríamos hoje caso tivéssemos feito escolhas diferentes no passado, que tipo de compreensão científica, quais tecnologias, como seria a qualidade de vida da população num geral etc. Não há como dizer que sem o Capitalismo teríamos feito melhor ou pior, gerado menos ou mais mortes e sofrimento; é algo intangível demais para convicções. Uma descoberta científica pode ter vários usos, dependendo de qual seja o sistema político/econômico vigente e qual sejam seus interesses. Hoje poderíamos ter tecnologias completamente diferentes caso os interesses no passado tivessem sido diferentes… Não há como saber. O que deve ser detectado e corrigido é essa pré-suposição absurda e religiosa de que sem o Capitalismo teríamos menos ou nenhuma tecnologia porque é ele que faz com que seres humanos levantem a bunda do sofá (esperando alguém dizer: “sem Capitalismo não existiriam sofás!”) para serem criativos. Seres humanos são e sempre foram solucionadores de problemas, e sempre que surgia/surge uma necessidade, buscamos satisfazê-la através da modificação da natureza através de nosso trabalho. Muito antes de existir estado, mercado, moeda, propriedades, valor de troca, especialização etc. Seres humanos são incríveis, e nós só temos a ganhar reconhecendo isso.

https://pixabay.com/pt/tecnologia-inform%C3%A1tica-computadores-298256/

——————————————————————————

Notas

*O teste de QI não é aceito como medida de quantificação de inteligência pela maioria dos cientistas da área, visto que a inteligência humana é multifatorial. Existe uma ampla face de habilidade cognitivas que o teste de QI não reconhece. Por exemplo, você pode ser bom em cálculos e péssimo em fazer desenhos; pode ser um bom jogador de ping-pong e péssimo em relações intrapessoais. Por muito tempo o teste de QI foi utilizado para medir a inteligência, e também como ferramenta de classificação social.

——————————————————————————–

Referências

Efeito Flynn –

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/03/150304_testes_qi_inteligencia_rm

http://www.scielo.br/pdf/pusf/v18n1/v18n1a06.pdf

Descobertas arqueológicas no lago Turkana, Quênia-

http://motherboard.vice.com/pt_br/read/as-ferramentas-de-pedra-mais-antigas-antecedem-o-homo-sapiens-em-milhoes-de-anos

http://www.nature.com/nature/journal/v521/n7552/full/nature14464.html

Ferramentas produzidas por chimpanzés e orangotangos-

http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/chimpanzes-sao-vistos-produzindo-lancas-e-cacando-com-elas

http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/arqueologia-e-paleontologia/orangotangos-tambem-tem-cultura-revela-estudo/

Período Paleolítico-

https://pt.wikipedia.org/wiki/Paleol%C3%ADtico

https://en.wikipedia.org/wiki/Paleolithic

Paleolítico Inferior, Médio e Superior-

https://pt.wikipedia.org/wiki/Paleol%C3%ADtico_Inferior

https://pt.wikipedia.org/wiki/Paleol%C3%ADtico_M%C3%A9dio

https://pt.wikipedia.org/wiki/Paleol%C3%ADtico_Superior

https://en.wikipedia.org/wiki/Lower_Paleolithic

https://en.wikipedia.org/wiki/Middle_Paleolithic

https://en.wikipedia.org/wiki/Upper_Paleolithic

Mais sobre tecnologias do Paleolítico-

http://www.nature.com/scitable/knowledge/library/a-primer-on-paleolithic-technology-83034489

https://prezi.com/v74ap5remeal/technological-history-of-the-paleolithic-age-stone-age/

http://www.geocities.ws/ccnywciv/reader/huntgath.htm

http://humanorigins.si.edu/evidence/behavior/tools/middle-tools

Arte-

http://www.archaeology.org/news/497-130201-germany-lion-man-reassembled

http://www.visual-arts-cork.com/ancient-art/stone-age.htm

https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Stone_Age_art

Linguagem-

http://www.jstor.org/stable/2743982?seq=1#page_scan_tab_contents

http://www.hup.harvard.edu/catalog.php?isbn=9780674363366

Instrumentos musicais-

http://humanorigins.si.edu/evidence/behavior/art-music/instruments

https://en.wikipedia.org/wiki/Prehistoric_music

Enterros e rituais:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15197816

Colonização-

http://www.ucpress.edu/book.php?isbn=9780520267992

Período Mesolítico-

https://pt.wikipedia.org/wiki/Mesol%C3%ADtico

https://en.wikipedia.org/wiki/Mesolithic

http://www.stoneagetools.co.uk/mesolithic-tools.htm

http://www.zbsa.eu/forschung/projekte/abgeschlossene-dissertationen/the-role-of-fishing-in-the-late-mesolithic-in-northern-europe

Advento do cozimento e expansão do cérebro-

http://www.sciencemag.org/content/316/5831/1558 (série de artigos à respeito publicados na Science)

http://www.suzanaherculanohouzel.com/journal/2012/10/23/quem-diria-voce-deve-seu-cerebro-a-cozinha.html

http://www2.uol.com.br/sciam/reportagens/um_cerebro_maior_gracas_ao_cozimento_dos_alimentos.html

Mais sobre, cozimento e diminuição do sistema digestivo-

http://super.abril.com.br/ciencia/da-panela-viemos

Investimentos em ciência e tecnologia, no mundo-

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=quanto-o-mundo-gasta-em-ciencia&id=010175130529

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141994000100005

História do método científico-

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141994000100005

Motor a vapor-

https://pt.wikipedia.org/wiki/Motor_a_vapor

 

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>