Uma nova forma de pensar

Thinking_Outside_The_Box_by_mclelun - http://mclelun.deviantart.com/art/Thinking-Outside-The-Box-62691050Uma pesquisa de 2011, intitulada Projeto Sonho Brasileiro, buscou identificar nos jovens brasileiros as principais características dessa nova geração, do início do século 21. Uma dessas características, relativa à forma de pensar, foi chamada de “não-dualismo”. A pesquisa define o termo como uma forma de pensar flexível, aberta, integradora, que rejeita a bipolarização ou segregação de ideias. Em outras palavras, uma capacidade de pensar de forma multidimensional.

Certamente, essa é uma característica que se repete entre jovens do resto do mundo. É pouco provável que em algum outro momento da história a humanidade tenha sido capaz de racionalizar de forma não linear e não pragmática, e podemos imaginar que essa mudança seja decorrência direta do contato permanente de qualquer pessoa com múltiplas formas de pensar e compreender o mundo – desde que o queira -, algo inédito e tornado possível pelo avanço da Internet, redes sociais, blogs etc.

Por ser nova, essa é uma forma de pensar ainda estranha para a maioria das pessoas, sobretudo aquelas excluídas da faixa etária dita jovem, mas quase todos aqueles, jovens ou maduros, que sofreram um processo de aprendizado e formação intelectual mais tradicional, linear, que se acostumaram a assumir opiniões e valores polares. Contudo, o raciocínio não-dual se impõe naturalmente, por uma capacidade superior de pensar e compreender o mundo.

Combinada essa superioridade à aderência das novas gerações, podemos afirmar que essa será a forma de pensar do futuro próximo, e uma nova forma de pensar molda um novo mundo – ou uma nova sociedade. Não deve ser coincidência que essa revolução do pensamento individual seja contemporânea das revoluções tecnológica, econômica e cultural que vemos hoje.

Não é fácil adotar uma nova forma de pensar. O não-dualismo, por exemplo, elimina todo e qualquer espaço a preconceitos, fobias, moralismos e padrões mentais pré-estabelecidos. Certo e errado, bom e ruim, a favor e contra: a natureza não é assim, e isso inclui a natureza humana. O não-dualismo é o respeito às diferenças, ao relativo, à individualidade e à coexistência.

Uma mudança de pensamento não poupa nenhuma área da vida social. Provoca profundas mudanças na política – onde já existe um anseio incontido mas mal compreendido -, na cultura, na educação e nos hábitos de consumo.

As grandes instituições da sociedade – Estado, Igreja, Grande Mídia, o Mercado – estão completamente inadequadas a essa realidade nascente. Por serem grandes, lutarão por sua sobrevivência, mas o processo não parece ser reversível. Mudanças sempre acontecem, e chega um momento em que se tornam inevitáveis. Apenas optamos entre abraçar ou combater a mudança, sendo que eventualmente ela vencerá. Abraçá-la é uma questão de adaptação natural, mas o condicionamento mental tende ao combate.

Mas combater mudanças definitivamente não é próprio do pensamento não-dual.

You may also like...

2 Responses

  1. Olá pessoal, foi com essa mentalidade de pensar fora da caixa que eu fiz o site urbanfarmtrading. Uma comunidade auto-sustentável, sem fins lucrativos para que as pessoas possam se alimentar melhor e ajudar sua comunidade local, trocando o que for excesso em sua horta com outras pessoas.
    Abraços!

    • Graciela Kunrath Lima disse:

      Oi Cássio!

      Bem legal a ideia! Já há uma comunidade funcional, realizando as trocas?

      Acho que seria legal fazer uma versão do site em português também, pois no Brasil infelizmente são poucas pessoas que compreendem o inglês.

      Se quiser contar para a gente como surgiu a ideia, montou o sistema, e como ele está funcionando, pode escrever um artigo – se os editores do blog gostarem, a gente publica aqui!

      Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>